Ao reconhecê-la dentro e fora de nós, nos presenteamos com o educar-se. Uma atitude de reverência, que reconhece o valor intrínseco de todos os seres vivos e nos coloca humildemente como um fio particular da teia da vida.

 

Satish Kumar, fundador da Schummacher College, chama de ecologia reverencial essa relação sagrada com a Natureza.

 

“Nós somos Natureza. Nós somos feitos de terra, ar, fogo, água, espaço, tempo, consciência e imaginação. Tudo no universo está em nós. Sem o sol ou a lua, nós não poderíamos existir. Nós somos um universo miniatura: microcosmo do macrocosmo. Com a ecologia reverencial, nós percebemos essa unidade expansiva de vida. Com o entendimento da ecologia reverencial, todas as nossas desconexões estreitas e mesquinhas desaparecem. Nós colocamos muitos rótulos sobre nós mesmos. Nós pensamos, eu sou Inglês, eu sou Americano, eu sou Indiano, eu sou Paquistanês, eu sou um Hindu, eu sou um Cristão, eu sou um Muçulmano, eu sou um Budista. Esses rótulos criam desconexões. Na ecologia reverencial, todos nós somos membros de uma comunidade da Terra e uma família humana.”

 

Uma comunidade, uma família. Uma rede de interdependência.

 

Essa visão sistêmica nos proporciona um senso do lugar a que pertencemos. Pertencentes, temos a oportunidade de nos redimir da separação e fazer as pazes com a inteligência viva da Natureza.

 

Esse é o caminho do Educar-se. Essa é a jornada de transformação que a Natureza nos conduz. Mestra, ela se expressa nos ciclos, sua grandiosa impermanência. Movimento, ela ensina! Criador e criatura em plena dança.

Nave-mae-imagem-casa-principal-dois-andares.jpg

Nave-Mãe. Nosso símbolo, onde tudo começou

Nosso símbolo, onde tudo começou. Viver a essência do Voador e se conectar com o que fazemos aqui passa por conhecer a história dessa casa e da terra de onde alçamos nossos voos. 

foto-das-platancoes-feitas-na-voador.jpg

Projeto de Agrofloresta

Nosso projeto de recuperação florestal por meio da técnica de agrofloresta. Geração e produção de alimentos orgânicos em 3 hectares. Uma inovação em área de unidade de conservação ambiental em parceria com a Cetesb e Fundação Florestal.

Esse projeto é, também, um protótipo para alteração da legislação de compensação ambiental: atestar que a técnica é mais eficiente na regeneração florestal do que o método convencional de plantio de mudas nativas.

Fomos escolhidos como incubador desse projeto, pois, além do propósito alinhado, nossa atuação na educação inclui desenvolvimento de cursos, formações e participação ativa da nossa comunidade no projeto. Muita coisa emergerá daqui!

Temos energia solar =)

Nosso compromisso é adaptar ou criar nossas necessidades a partir de diretrizes e métodos de baixo impacto. A eficiência energética sempre foi um sonho. Há um ano, tornamos a energia solar nossa realidade.

crianca-com-uma-blusa-azul-no-topo-da-montanha-olhando-para-a-foto.jpg

Unidade de Conservação

Nosso santuário está localizado no Monumento Natural Estadual da Pedra Grande, unidade de conservação de proteção integral que engloba os municípios de Atibaia, Bom Jesus dos Perdões, Mairiporã e Nazaré Paulista.

Voador_Alimento-jornada-familia-culinaria-cozinha-simples.jpg

Horta & produção de alimentos

Caminhamos para a autossuficiência. Aprendemos tanto com os ciclos da Natureza, a respeitar seu tempo e estação. Um desafio diário que nos mobiliza a encontrar o melhor equilíbrio entre dar e receber. Honramos a terra que nos alimenta.

WhatsApp Image 2021-07-08 at 11.39.31.jpg

Gestão de resíduos

A gestão de resíduos é compromisso do Voador como responsabilidade em destiná-los da melhor forma possível e contribuir com o processo de conscientização e educação, gerando riqueza para o solo.

 
 
 
 

OS CICLOS DA NATUREZA

voador-natureza-tucano-sementes-sol-arvores.jpg
observamos,-celebramos-e-reverenciamos.-sentimos-a-transformacao-que-acontece-entre-voos.p

Quando foi a última vez que você parou para observar a natureza com atenção? Sentir seus ventos e movimentos? Apreciar as estações do ano, a transição que cada ciclo apresenta e a abundância que dela emerge? Reconhecer o ciclo de morte e renascimento em tudo e em todos?

 

Viver o Voador, nesse patrimônio natural, tem nos dado a oportunidade de acessar uma fonte de sabedoria inesgotável sobre os ciclos da vida. E, acima de tudo, de se perceber parte.

 

De ser natureza, com ela.  Apresentamos a impermanência em poesia.

Contração. Expansão

Noite. Dia

Ninho. Voo

 

Momentos que coexistem. Um jogo de percepções, o próprio jogo da vida, o show da vida. Distinguimos os elementos numa ação de separatividade, quem é quem, o que é o que, e os experienciamos na entrega do sentir.

 

O amor, onipotente, onipresente, onisciente, criando a si próprio através de todos os seres, divinamente nos conduz a perceber o outro para então percebermos a nós mesmos.

 

Separamos para em seguida viver o encontro, nos encontramos para seguirmos no glorioso caminho de novas criações, guiados pela naturalidade da evolução.

 

Ao olhar ao redor com disposição, percebemos a dualidade num gradiente infinito, os sentidos captando e processando o ambiente que nos cerca. Tudo acontecendo no eterno aqui e agora. Micro ciclos dentro de macro ciclos.

 

Estar presente entre voos, ser ninho e ser voo, é pura aprendizagem, é transcender lugares inconvenientes e permitir que eles sejam tão bem vividos e honrosos como os supostos desejados.

 

A vida é naturalmente brincadeira e labor, arte e ciência. Vivenciar a natureza como mestra é o aprender fazendo, consagrar, compartilhar e confiar que cada um fará o plantio que acredita e escolhe, e a colheita que lhe cabe.

Por Lili Bits